Total Supernovas no Multiverso

domingo, 17 de janeiro de 2010

Áquila



Ela é a maior colônia humana em Hakis governada pela Corporação Ovolun. Muralhas tecnológicas cercam a cidade protegendo-na de invasões e ataques antropomórficos.
No passado ela era a capital do continente Arthaniano, o maior império que já existiu em toda Hakis. Hoje Áquila é famosa por receber todo e qualquer humano que chegue em busca de abrigo e proteção do mundo selvagem lá de fora.
Patrulhas do Comando Ovolun constantemente visitam as fronteiras desérticas em busca de sobreviventes que vagam pelos ermos em busca da tão sonhada Colônia, ou de bandos antropomórficos prontos para serem aniquilados.
Dentro de seus limites a cidade se divide em vários bairros repletos de corrupção, criminalidade e prostituição. Mas há quem encontre bons lugares para se viver como os bairros residenciais protegidos dia e noite pelo Comando Ovolun. Todo tipo de veículo tecnológico pode ser encontrado pelas ruas dando um ar surreal para a metrópole fantástica.
Certos rumores envolvem a cidade e coisas inexplicáveis também enfeitam seus mistérios repletos de magia tecnológica, como é chamada a ciência do Ovolun.
Diversos cristais de Ovolun espalhados pela cidade distribuem a energia para todos habitantes, desde os mais altos prédios até os níveis subterrâneos.
Algumas localidades de Áquila:

  •  Centro (Cidade Velha), a parte mais antiga da cidade possuiu o maior mercado de itens e mercadorias tanto lícitas quanto proibidas. Casas de prostituição, jogos e clubes de luta clandestina existem por todos os lados. Aqui as guildas ditam as regras e para aqueles que as quebram são punidos mortalmente.

  • Vale da Fertilidade, um gigantesco campo de Árvores de Ovolun artificiais cercado e protegido é mantido por conta da Corporação Ovolun para extração de cristais para a fabricação de Meio-Antropomórficos a serviço do Comando Ovolun.

  • Porto,  um antigo e desativado porto que há muito no passado servia para se cruzar o Mar da Estrela Negra. Hoje serve apenas como favela para a parte mais miserável da população. Dizem que seus bueiros escondem antigas passagens para as profundezas da cidade.

  • Bairro Nobre, um distrito residencial repleto de mansões e casa de luxo serve como moradia aos mais abastados membros da sociedade. Industriais, atores, empresários e todo tipo de gente poderosa habita essa parte. Dizem ser a parte mais protegida de toda cidade, mas ainda assim muitos se arriscam entre as sombras em busca de fortuna ou sangue.

  • O Quartel,  assim é conhecida a parte subterrânea da cidade onde gente de todas as classes freqüentam mesmo que sobre disfarces, até mesmo Meio-Antropomórficos. Suas galerias abrigam todo tipo de comércio, mas o lugar serve de fachada para o tráfico de armas ilegais. Aqui a lei dos chefões do crime organizado mantém o local em harmonia junto dos soldados corruptos do Comando Ovolun. Muitos túneis foram selados e são constantemente protegidos por patrulhas do Comando, especula-se que Antropomórficos sejam mantidos prisioneiros atrás de suas portas.
  • Corporação Ovolun, uma gigantesca usina repleta de reatores que extraem energia do Ovolun a partir de Dragões Primordiais vivos. A usina é fortemente vigiada e ninguém sabe o que se passa verdadeiramente lá dentro. É a residência do CEO da corporação e dizem se tratar de um verdadeiro Dragão Obscuro. 
Todos as localidades dividem-se fisicamente por muralhas tecnológicas fortemente guardadas por soldados do Comando Ovolun e a única maneira de se locomover de uma localidade para outra é através dos portões de identificação genética de identidade.

2 comentários:

  1. Cara, onde você coloca as suas histórias antigas?

    ResponderExcluir
  2. Fala Túlio! Então, as antigas histórias foram deletadas, pois precisei construir uma plataforma mais detalhada para que elas pudessem ser escritas.
    Haverá na parte dos marcadores uma área só para contos como sempre foi este Blog, mas também decidi dar espaço para o universo expandido e sua filosofia.
    Logo voltarei a publicá-los e de uma forma mais coerente.
    Abraços!

    ResponderExcluir