Total Supernovas no Multiverso

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Lendas Urbanas - 1



Eu sou uma espécie de lenda urbana nascida das trevas dessa cidade louca. Sou uma espécie de doença auto-imune que o próprio organismo por conta de um acesso de loucura acredita não pertencer ao corpo. É como que se mesmo eu sendo a parte crucial desse organismo de tijolos e esgotos eu devesse ser eliminado.
Mas eu sou uma idéia, não posso ser destruído.
Quando estou do alto desses arranha-céus eu vejo toda sujeira bem longe de mim. A sujeira que os homens cultivam todos os dias dentro de seus corações, como um segredo que nem mesmo Deus pode desvendar. Quando encontro um corpo jogado dentro de uma vala, uma mulher estuprada em um beco ou uma criança assassinada na porta malas de um carro abandonado eu vejo que estou no meio de um circo de loucura.
Eu não entendo como uma cidade que tem o melhor poderia militar de todos os tempos ainda passa por isso e precisa da ajuda de seres como eu. Na verdade eu entendo sim, é que nós temos também os piores criminosos de todos os tempos. E ser pior nesse contexto é ser melhor.
Todas as noites as ruas dessa cidade se enchem de sangue inocente. Aqui rola um verdadeiro festim diabólico onde de um lado alguns são mortos enquanto outros festejam a necessidade de matar, de alimentar o cérebro com dopamina extraída de cada assassinato. Isso tudo aqui é uma piada macabra.
Eles me odeiam, acreditam sinceramente que essa cidade seria melhor sem mim, sem minha vasta lista de inimigos, sem a vasta lista de psicopatas que estão atrás das grandes por minha conta. Mas eu não mando os criminosos que cruzam meu caminho para detrás das grades, eu os mando direto para o inferno.
Eu sou uma lenda urbana, vivo no inconsciente coletivo da sociedade, eles me criaram para explicar o que não tem explicação, para poderem aceitar que há uma razão em todo o mal que existe dentro de seus corações. Eles exorcizam seus demônios em mim e eu não estou nem aí para eles.
Quando um médico opera um paciente, um padre reza uma missa ou uma mulher amamenta seu filho, isso acontece por que eu estou nas ruas silenciando o grito de ódio dos assassinos sociopatas que nos cercam, eu lhes dou segurança. Mas quando esse médico mata essa vítima propositalmente para vender seus órgãos, ou aquele padre após a missa violente um garoto sob o altar sagrado, ou aquela mãe joga seu filho dentro de uma lata, eu faço por Deus o que ele deixa pra amanhã, eu os mando para o inferno.
   Na minha curta existência posso até ser comparado ao seu salvador, não pelos meus trinta e três anos. Nem pelo fato de que nasci sem pai, ou mesmo pelos milagres que faço, mas por que renasci como um novo homem após a traição que me condenou. Eu paguei pelos pecados dos homens dessa cidade, mas diferentemente dele eu não vou amo nem um pouco, quero mais é que todos vocês se ferrem pra valer.
Quer saber então porque é que eu ainda limpo essa cidade desses vermes que distribuem o medo e o desespero para estes fiéis cidadãos que cultuam a vida urbana e seus prazeres carnais? É que eu também não passo de um psicopata. De um lado eles matam por prazer sádico e eu também, eles estupram, assassinam, roubam e violentam e eu só os silêncio para toda a eternidade, cada um recebendo sua dose de adrenalina e dopamina oriunda de sua atividade.
Mas as coisas são assim, lendas urbanas são assim, não precisam ser reais, mas as pessoas gostam de contar, elas querem acreditar, pois no meio da loucura que nos cerca precisamos acreditar que existem heróis que lutem por nós para que nós possamos dormir em paz, enquanto traímos nossas mulheres, mentimos para o próximo, roubamos nossos sócios, pecamos contra Deus... É realmente nossa sociedade merece que alguém a livre dos criminosos, afinal somos cordeiros na pele de lobos não acha?
Se um dia, depois que você estiver voltando para casa, pensando em sexo com sua colega de trabalho ou quando você terminar de explorar seus clientes visando o lucro que vai ter permitir comprar o carro do ano e alguém te abordar no sinal e você sentir medo de morrer pense em mim, não é difícil, pois sou teu sentimento de justiça, de necessidade de sobrevivência. Apenas torça para que eu não mande vocês dois para o inferno, pois a única diferença entre seus pecados e os do seu algoz é que os dele todos nós podemos ver e os seus é um segredo somente entre você e Deus.
Cuidado com as lendas urbanas. Em Áquila, elas ganham vida.
Sou Heian Hakinavis, uma delas...

4 comentários:

  1. Putz grila! Arrepiante!
    Parabéns pelo texto Eryck! Começarei a ler os outros(resolvi começar por este, pois é curtinho XD)
    Narrativa incrível! A estrutura do texto está muito boa cara! Eu não tenho nada a que reclamar! Só tenho a dizer que virei fã! Só que esse texto ficou com uma cara de continuação. Tem? Por onde eu posso começar a ler os textos por aqui?
    Conheci o teu blog através do site O Nerd Escritor.

    ResponderExcluir
  2. Valew Vinicius!
    Então os contos dos Demolidores Cruzados e do Helm Castelo Cinzento resume bem o que esse quer dizer e pode ser considerado como uma continuação, ok!
    Só tenho a agradeçer ao Nerd Escritor e ao Gunslinger que linkou meu Blog lá, abraços a todos de lá!

    ResponderExcluir
  3. Opa! Valeu Eryck por linkar os meus blogs ali, fiz o mesmo com o seu! Mas o único blog que ainda uso é o vidadomachado.blogspot.com <<. Os outros foram tentativas frustradas xD...não quer dizer que eu esteja acertando com esse, mas ta indo "bem" Ainda não li os outros contos seu. To meio sem tempo, mas assim que puder leio e comento! Valeu denovo e abraço.

    ResponderExcluir
  4. show de bola...

    ResponderExcluir