Total Supernovas no Multiverso

sábado, 17 de julho de 2010

Ao Longo da Estrada - 3



Quando você está junto a mim e toda felicidade do mundo parece nos pertencer esse é único momento em que posso sentir que a vida tem um sentido. Olhando em seus olhos sinto uma angústia que reflete de seu coração, como que se o tempo que nos mantém unido fosse o maior vilão desse conto de fadas.
Gostaria de poder te segurar pelas mãos e seguir adiante por esse caminho que se estende diante de nós, mas no fundo minha maior fraqueza mora dentro de ti. Talvez seja todo esse amor que nunca senti e que só você foi capaz de despertar, não sei, juro que não sei.
Eu já trilhei a estrada da desilusão algumas vezes, senti o gosto amargo que há no fundo do abismo da dor, mas jamais pensei ser capaz de reaprender o caminho do amor, do amor mais puro que possa existir. Quando estou ao seu lado e olho em seus olhos vejo a cura para todo o vazio que há em mim, mas me desespero em saber que o tempo que temos é pouco e que o fim desses dias de calor está fadado ao outono que a tudo despedaça.
Como nas madrugadas quando o relógio nos avisa que já é de manhã e enquanto a cidade inteira dorme e somente nós somos capazes de sentir a eternidade que há nesse amor, sinto-me despedaçando sobre o vazio de nossos segredos. Como posso lutar contra toda a dor que esta entrelaçada nesse amor proibido? Não sei, pois quando você está em meus braços e sinto seu cheiro e você com aquele seu sorriso bobo me conforta a felicidade que sinto é tudo o que mais me destrói.
Às vezes acho que toda essa saudade que sinto, minha incapacidade de ficar longe de ti é apenas um reflexo de toda ansiedade que sinto do destino que se aproxima. Perceba que nunca falarei disso a ti, que nunca nos lembrarei que haverá uma distancia ou mesmo um fim que nos escravize na estrada da saudade. Posso até estar errado, mas meu maior medo é te perder para mim mesmo, para meus medos e angustias.
 Apenas saiba que nada pode me separar de você, nem mesmo a eternidade a qual eu estava fadado e abri mão. Sinto que estou só nessa estrada, sobre todo o absoluto que nos fortalece, sobre todas as sombras do caminho que se escurece, ainda há esperança que possa no garantir que no fim tudo ficará bem.
Espero te encontrar novamente ao longo da estrada quando uma vírgula ou uma encruzilhada dividir nossa história ao meio, quando todo esse conto for despedaçado novamente, quero estar lá para juntar todas as peças e novamente juntos podermos reescrevê-la. Saiba que somente a possibilidade de ter um dia sentido o calor do teu corpo já me estigmatizou pelo resto de nossas vidas e assim seguiremos em estradas separadas, mas juntos contra toda a dor que possa nos atormentar.
Dizer que te amo é desnecessário, isso é o que os homens dizem, pois com suas vinte e sete letras é tudo o que sabem utilizar para expressar o que é indecifrável. Prefiro não dizer nada, deixo tudo assim, sem explicação, pois sei que quando olhar em meus olhos verá através de minha alma e sentira o poder desse sentimento que atravessa a eternidade...
 Saiba que sempre estarei aqui para você!

Nenhum comentário:

Postar um comentário