Total Supernovas no Multiverso

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Demolidores Cruzados - Parte 3/8

DIOCK SUB'AZZERROZE

Eles odiariam admitir, mas quando eles cruzaram as ruas e vielas mal iluminadas da fedorenta metrópole arthaniana eles sabiam que em algum lugar nas profundezas de alguma escuridão alguma coisa havia despertado. Talvez coisas que eles tentaram enterrar junto com o passado envolvendo a existência das Ovoluns. Não havia dúvida no coração dos dois companheiros, não se pode fugir do passado por muito tempo, ele sempre volta para cobrar o seu preço.

― Não parece haver o menor sinal de vida nessa espelunca. ― Heian resmungou indignado ao parar na frente de uma velha taverna abandonada no final de uma viela mal iluminada.

Zinkt olhou para o amigo sem entender nada do que ele via ali. Ou melhor, do que ele não via ali.

― Eu posso jurar pela barba do meu pai que ontem eu tomei o maior porre da minha vida aqui e aquele halftti miserável que me serviu todas as canecas que bebi. ― chiou Zinkt socando a velha porta de madeira com toda força que possuía.

A porta pareceu estar aberta...

― Alguma coisa aconteceu por aqui Zinkt. Ladnar não iria abandonar os negócios assim sem nenhum motivo realmente importante se é que você me entende. ― disse Heian sinalizando com os olhos que eles não estavam sozinhos. Havia alguém nas sombras do beco a observá-los.

Zinkt levou a mão ao cabo do martelo.

― Ele tá encrencado. O desgraçado se metera em confusão e fugiu que nem um rato miserável. Abandonou tudo sem falar nada. ― praguejou Zinkt indignado fingindo não olhar para as sombras do beco ao seu redor.

Os dois entreolharam-se e Zinkt sabia que pelo olhar do Meio-Elfo tava tudo sobre controle. Ele já sabia onde estava o espião e só estava esperando o melhor momento para agir.

― Vamos entrar e ver se descobrimos alguma coisa? ― disfarçou Heian piscando para o anão.

Não deu tempo. Por detrás de umas caixas velhas e empilhadas no final do beco um homem revelou-se através das sombras. Zinkt não enxergou direito e sacou seu martelo instintivamente, mas Heian já sabia de quem se tratava e muito antes do anão fazer algo ele já havia travado-lhe o braço.

― Eu adoraria que você arremessasse esse martelo Zinkt, mas não vale à pena. ― Heian declarou olhando seriamente para o anão. Zinkt conhecia o amigo, havia um brilho de ódio estampado em seu olhar. Então ele se ligou.

― Ora, ora se não é meu velho amigo Heian Meio-Elfo... ― disse uma voz jovem e sarcástica através das sombras ― Se você deseja ver esse martelo beijando minha testa acho melhor tentar a sorte meu caro amigo.

Os dois virão quando os olhos luminosos do guerreiro brilharam através das sombras do beco. Zinkt sentiu uma pontada de dor no peito, tudo o que ele menos queria é que os dois se encontrassem nesse momento.

― Que merda você está fazendo aqui Sub’Azzerroze? ― bufou Zinkt segurando o peito tentando disfarçar sua dor. Heian fingiu não perceber que o amigo passava mal, conhecia muito bem seu orgulho de anão.

O Capitão Arthaniano acendeu um charuto e a brasa escarlate incendiou-se através da fumaça tragada.

― Eu diria que o mesmo que vocês. Investigando. ― declarou com indiferença.

Heian virou-se de costas para o antigo companheiro e cravou seus olhos semi-serrados no anão.

― Diga que você não tem anda a ver com isso. ― e sua voz era duro feito aço.

Zinkt não soube o que responder.

― Provavelmente Zinkt já te contou que alguém anda por aí se apresentando com um sobrenome que você ousa fingir não possuir. ― cutucou Sub’Azzerroze insinuando o fato de Heian negar tudo que provinha de sua herança paterna.

Heian virou-se e com a face crispada de ódio apontou o dedo para a face do capitão.

― Não fale comigo! ― gritou.

Sub’Azzerroze não se conteve e explodiu com uma gargalhada forçada.

― Não me faça rir Heian Castelo Cinz... ― e antes que terminasse a frase sentiu a mão fechada do Meio-Elfo explodir em sua face na forma de um violento gancho de esquerda.

O charuto de Sub’Azzerroze rodopiou no ar e Zinkt como muitas vezes fizera no passado entrou no meio dos dois sacando seu martelo. Os ânimos estavam elevados e ele sabia que teria que mediar o encontro antes que alguém se machucasse seriamente.

― Parem já com isso seus moleques! ― berrou empurrando Heian para trás e virando-se para Sub’Azzerroze que se recompunha ― E você também, ta querendo confusão gratuita?

Sub’Azzerroze acariciou o maxilar golpeado e sorriu.

― O primeiro foi de graça Meio-Elfo, mas o segundo eu vou cobrar. ― advertiu com a boca encharcada de sangue.

Heian arrependeu-se do que fizera na mesma hora. Estava revoltado por não conseguir controlar sua raiva. Aceitava a provocação de qualquer um e isso lhe corroia. Em seu interior ele suspeitava que Zinkt soubesse que Sub’Azzerroze estaria ali e até desejara que os três ex-Demolidores se encontrassem novamente.

― Uma coisa eu lhe garanto Zinkt de Howerheck. Se você esta pensando que existe alguma possibilidade...

― Eu nunca contei com isso! ― cortou o anão e sua voz rouca foi seca com uma pedra.

Heian ficou quieto e com as mãos na cintura cruzou o beco de um lado para o outro com passos nervosos. Os dois haviam visto o Meio-Elfo que se apresentara com seu sobrenome e dizendo vir do mesmo lugar que ele, mas ter que estar frente a frente com Sub’Azzerroze era muito pior que tudo isso.

― Pelos deuses! O que o Ladnar tem a ver com essa história? ― perguntou Heian vermelho de raiva olhando apenas para Zinkt.

― Foi ele quem encontrou seu parente e chamou a milícia. ― respondeu Sub’Azzerroze insistindo em conversar com Heian somente para irritá-lo ainda mais.

― Ele não é meu parente! ― declarou e sua foz foi fria feita à morte.

Heian olhou de soslaio para Sub’Azzerroze com Zinkt de martelo empunhado a sua frente pronto para bloquear a passagem a qualquer custo. Ele estava nervoso demais e sabia disto. Tinha que se acalmar e tentar descobrir o que estava acontecendo. Tentando controlar seus sentimentos Heian apertou os olhos e respirou fundo. Uma vez. E novamente.

― Zinkt. O que Ladnar poderia fazer por nós? ― perguntou confuso e seu semblante não demonstrava mais seu nervosismo e sim um homem cansado e exausto e pela primeira vez na vida o anão sentiu pena do amigo.

― Nós desconfiamos que Ladnar pudesse ter encontrado alguma coisa útil nos pertences de Helm. E que o motivo de ele ter desaparecido tenha tudo a ver com isso que ele deva ter encontrado. ― teorizou o anão tentando manter o nível de sua voz calmo enquanto guardava o martelo de combate.

Sub’Azzerroze aproximou-se amistosamente.

― Você tem razão Zinkt. Ladnar já levou o que encontrou para alguém avaliar para ele. ― revelou o Capitão Arthaniano trocando olhares com os dois que fingiam não ouvir-lhe ― ele foi até a torre de Zook Tarrur e tenho certeza que vocês irão gostar muito do que ele tem para lhes contar. Principalmente você... ― disse olhando para Heian enquanto provava com o dedo o gosto de próprio sangue.

Heian e Zinkt entreolharam-se e sem nada dizerem sintonizavam o mesmo pensamento. Ambos sabiam que se quisessem saber quem era o tal Helm Castelo Cinzento teriam que ir até a torre de Zook Tarrur que por sinal tratava-se também de um ex-Demolidor. Mas, enquanto Heian tentava esconder o cansaço e o desanimo diante de toda a trama que lhe envolvia e arrastava ele percebia que Zinkt tentava-lhe esconder sua expectativa de depois de tantos anos sentir que os Demolidores novamente estavam se reunindo.

― Eu não sei o que tudo isso significa Zinkt, mas eu lhe garanto que eu nunca me juntaria a nada que envolvesse Sub’Azzerroze e os Demolidores. Vamos terminar isso ainda esta noite. Vamos até a torre de Zook Tarrur agora. ― disse determinado observando o anão, tentando encontrar qualquer sinal de expectativa por parte do velho amigo.

― Vamos então. ― disse com um desanimo fingido ao caminhar atrás do Meio-Elfo que liderava a demanda ― Você vem? ― indagou ao olhar para Sub’Azzerroze.

― Eu não perderia isso por nada... ― sussurrou maliciosamente sabendo o que encontrariam na torre do feiticeiro élfico.

Heian fingiu não ouvir o que foi sussurrado a mais de quinze metros sob suas costas.

Então cada um com seu próprio ritmo partiram rumo a Torre do Feiticeiro.

Heian na liderança...

Nenhum comentário:

Postar um comentário