Total Supernovas no Multiverso

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Ao Longo da Estrada - 5



          Às vezes me assusto com minha capacidade de fazer mal a mim mesmo. Sobre como sou capaz de violentar minha própria dignidade e infringir sofrimento e dor a alguém que no fundo não passa de uma cópia de mim mesmo.

         Sou senhor do meu próprio destino, tentando não me perder na soma de todas minhas decisões, tentando ser mais do que aquilo que sei que nunca deixarei de ser. Busco respostas dentro de meu coração como se ele fosse uma bússola que me leva sempre rumo ao norte bem longe do sul da razão.

          Acredito que sou alguém que nunca quis ser, pois me tornei algo que nunca planejei. Tenho saudade de ser novamente aquele que se perdeu dentro das tentativas de ser alguém melhor do que sempre fui. Melhor do que minhas opiniões e minhas frases de efeito, melhor do que meus conceitos pré-determinados sobre tudo e todos.

          Hoje faz alguns meses que reencarnei nesse novo ser, faz alguns meses que faleci e não sei quanto tempo mais me resta para ser tudo aquilo que me restou. Será que realmente tomamos nossas próprias decisões ou são elas decidem o rumo que tomaremos? Acho que passei tempo demais tentando encontrar um ponto de equilíbrio que quando vi estava perdido em algum ponto de tudo aquilo que já passei.

          Eu renasço e me consumo no desespero da felicidade, me esforço dia e noite para manter aqueles que me amam longe de mim, procuro não me alimentar com coisas boas para meu corpo e permito que invada meu ser diversas coisas que aniquilam o brilho de minha alma. Estou me esforçando demais para nunca ser bom ou alguém de respeito, pois para sermos pessoas ruins temos que interpretar muito.

          Será que no fundo todas essas dúvidas também assolam o coração de todos aqueles que estão ao meu redor? Gostaria de poder me contentar com a felicidade, de o simples fato de eu acordar, trabalhar, comer e dormir me satisfazer e eu poder orar pela noite e acreditar que esse mundo é maravilhoso e tudo faz parte de um grande plano divino e que somos amados e não estamos sozinhos quando a noite cai.

          Mas é impossível para mim, olhar para as faces das pessoas e acreditar que elas são felizes, mesmo os que muito possuem buscam fazer algo de solidário para diminuir a culpa por muito possuírem. Não faz sentido, eu tenho que me contentar com o fato de estar vivo, de ser amado e deveria agradecer por poder escrever isso com a saúde perfeita, mas eu me esforço para ser ingrato, pois meu coração sente que nada faz sentido e nada disso importa.

          Será que somos parasitas sentimentais que nos alimentamos de sentimentos criados dentro de nós e por isso nos apegamos afetivamente aos que estão ao nosso redor? Será que preciso mesmo sentir uma descarga de dopamina ou ocitocina em minha corrente sanguínea para me iludir que no dia de minha morte nada disso valera à pena.

          É complicado, você ama demais estar vivo e se contenta com essa realidade que o cerca. Pois você acreditou que para ser feliz precisa fazer uma faculdade, casar, ter filhos e no fim ter uma casa na beira d’água e você vê isso hoje enquanto é jovem e acredita que aqueles que chegaram lá possuem a felicidade que você almeja.

          Estamos fadados ao sofrimento e a morte. Buscamos na arte e no amor significado para nossa vida, pois entender que essa é a realidade e que não passamos de um simples organismo repleto de sistemas complexos que a evolução nos permitiu desfrutar, é cruel demais, é devastador aceitar isso.

          Prefiro buscar alguma religião que encha minha cabeça de minhoca, que me alerte para ficar longe das descobertas científicas, que me prometa um céu e me amedronte com um inferno, pois assim fica tudo mais colorido e menos natural do que é.

          Alguns buscam a felicidade e o conhecimento eu só quero ser ignorante por um dia...

6 comentários:

  1. Sabe, concordo em tudo que disse. Menos o fim. Mas é irrelevante discutir, agora, sobre religião. As vezes eu deixo me abater por muito pouco. Uma palavra. Ou uma palavra que nao foi dita. E isso é a essência. A gente nunca tá totalmente contente, até que voce ve um pobre desgraçado que tem menos, e mesmo assim, sorri. Uma vez eu escrevi: Segue em frente alma minha,
    Segue em frente,
    Que o vento é lento
    Para quem não se entrega.
    E eu acho, pedantemente, isso verdade. O vento é lento, feito o tempo. Tem muita coisa ainda que nao se perdeu.
    Voce tem um fluxo natural de escrever. Gostei de ler, mesmo sendo grande, e meu tempo curto. HAHAHA.
    vou acompanhar! (:

    ResponderExcluir
  2. É verdade, o fim foi proposital, para incomodar mesmo, mas se não fosse assim terminaria com um cliche.
    Meus textos são longos mesmo, impróprios para Blogs, pois o internauta não tem tempo, mas gosto de escrever contos, raramente poemas, e espero paciência, pois vale a pena.
    Obrigado por acompanhar!

    ResponderExcluir
  3. religião não encomoda,a maioria faz errado...não queren saber se Deus to feliz com oq esão fazendo!!bom não é isso q queria dizer...Acompanho seus textos e são apropriados para um livro...qualquer tema!Já penso nisso?
    Acho sua visão sobre o mundo meio preto e branco,vc decha na rede oq não pode dize na cara das pessoas,tem q fingin ser oq não é.A realidade não permite fazer e principalmente dizer oq pensa!ti axo mt inteligente bem visado no q quer,mas como eu sempre quer mais do q onten,mais do q hoje,mais do q o mundo pode ti dar...mas esse mundo sordido e materialista não entende q pessoas como eu e vc necesitão viver de Sol,Agua,Sentimentos....È tudo mt frio e calculiata para entender q somos 100%materia abstrata.Cubri meus olhos com a franja pera tentar conviver nesse mundo cego...
    E ai minha visão geral sobre vc e o mundo estão um pouco certa?? me responde por favor...
    PS(vomos fugir desse planeta juntos????)

    bjss e até um novo sonho!!

    ResponderExcluir
  4. Absolutamente você sabe sim como eu sou, lógico que gostaria de fugir com você desse mundo, mas a minha maneira. Estou escrevendo um manual para isso, uma espécie de livro que te ensina como se conectar a minha mente e juntos, escritor e leitor criarmos uma super-realidade. Conectados, o que acha? Prefiro ser esse tipo abstrato e idiota do mundo moderno, mas meu alterego é punkstar ao extremo e aqui nessas linhas eu dfinho minha alma com todas as 27 letras possíveis!
    Beijão e obrigado por ler meus textos!

    ResponderExcluir
  5. Eryck! Você é incrível! parabéns pelo blog e em relação ao último parágrafo>>>>>> faça sua própria religião ;))

    ResponderExcluir
  6. É isso aí Kaimi, que bom que gostou e sim, acho que já tenho minha própria filosofia em relação a esse rito mitológico que se enquadra a religião...

    ResponderExcluir